CARREGANDO

Digite o artigo que você procura

15 pessoas com Delta no Ceará apresentaram apenas sintomas leves ou foram assintomáticas, diz Sesa

maximweb 1 mês ago

No total, foram confirmados 15 casos da nova variante no Estado. Situação exige cautela

O Ceará contabiliza mais de 922 mil casos de Covid-19 desde o início da pandemia

Todas as 15 pessoas que positivaram com a variante Delta da Covid-19 no Ceará apresentaram apenas sintomas leves ouestiveram assintomáticas, e não necessitaram, portanto, de internação hospitalar. A informação foi confirmada pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesa) ao Diário do Nordeste.

“Os 15 passageiros confirmados com a cepa indiana tiveram sintomas leves ou estiveram assintomáticos. A Sesa monitora todos e não recebeu notificação de agravamento do quadro de saúde”, diz trecho da nota enviada pela Sesa.

Mesmo assim, a presença da nova cepa exige cuidados, o que levou o Governo do Estado a não avançar na flexibilização do decreto para combater o coronavírus. Até agora, foram registrados 15 casos da variante Delta da Covid-19 no Estado, conforme anunciou o governador Camilo Santana (PT) durante transmissão ao vivo do novo decreto de isolamento social, nesta sexta-feira (6).

Em nota, a Sesa detalhou que os nove pacientes com identificação mais recente da variante Delta são casos importados de viajantes vindos do Rio de Janeiro (6), São Paulo (1), Recife (1) e México (1). Todos são considerados jovens, sendo três mulheres, menores de 27 anos; e seis homens, com idades entre 20 e 38 anos. Apenas uma dessas pessoas não mora no Ceará; é visitante de São Paulo. As demais residem em Fortaleza, Tauá, Choró, Sobral, Poranga, Irauçuba e Paraipaba.

A variante Delta foi identificada pela primeira vez no Ceará no dia 29 de julho, em quatro viajantes oriundos do Rio de Janeiro, sendo três mulheres e um homem, com idades entre 22 e 26 anos. Todos foram testados entre 19 e 21 de julho, no Aeroporto de Fortaleza.

Em seguida, na terça-feira (3), a Sesa confirmou outros dois novos casos, totalizando seis, dos voos:

  • GOL 2021 de 23/07/2021 – Rio de Janeiro → Fortaleza
  • LATAM 3013 de 23/07/2021 – Rio de Janeiro → Guarulhos → Fortaleza

As nove confirmações desta sexta, por fim, totalizaram os 15 casos. Ainda não há informações detalhadas sobre números dos voos dos novos passageiros infectados.

PREVENÇÃO 

No intuito de evitar a transmissão comunitária da variante, Camilo Santana informou que as medidas de flexibilizações não avançarão no Estado, e o decreto atual será mantido até 23 de agosto.

Apesar do avanço na campanha de vacinação no Ceará, o governador frisou durante a live que a “pandemia não acabou”.

“Queremos proteger todos os cearenses, evitar o recrudescimento da doença aqui no Ceará, até que a gente possa vacinar todos os nossos irmãos e irmãs cearenses. Então, é importante que as pessoas compreendam, que cumpram as recomendações das autoridades sanitárias, que respeitem os decretos, que utilizem a máscara”.

O chefe do executivo estadual declarou que já firmou acordo para a compra de 3 milhões de doses da Sinovac com o Instituto Butantan. E ainda enumerou que o Estado, os Ministérios Públicos do Estado (MPCE), Federal (MPF) e do Trabalho (MPT) ajuizaram uma ação civil pública contra a União para que o Ministério da Saúde justifique a disparidade na distribuição de doses entre os estados brasileiros.

Outra providência prevista anunciada pelo governador é entrar com uma ação judicial para exigir que passageiros apresentem exame PCR negativo para Covid-19 ou comprovar vacinação completa, com duas doses, antes de desembarcarem em solo cearense.

Todas as 15 pessoas que positivaram com a variante Deltada Covid-19 no Ceará apresentaram apenas sintomas leves ouestiveram assintomáticas, e não necessitaram, portanto, de internação hospitalar. A informação foi confirmada pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesa) ao Diário do Nordeste.

“Os 15 passageiros confirmados com a cepa indiana tiveram sintomas leves ou estiveram assintomáticos. A Sesa monitora todos e não recebeu notificação de agravamento do quadro de saúde”, diz trecho da nota enviada pela Sesa.

Mesmo assim, a presença da nova cepa exige cuidados, o que levou o Governo do Estado a não avançar na flexibilização do decreto para combater o coronavírus. Até agora, foram registrados 15 casos da variante Delta da Covid-19 no Estado, conforme anunciou o governador Camilo Santana (PT) durante transmissão ao vivo do novo decreto de isolamento social, nesta sexta-feira (6).

Em nota, a Sesa detalhou que os nove pacientes com identificação mais recente da variante Delta são casos importados de viajantes vindos do Rio de Janeiro (6), São Paulo (1), Recife (1) e México (1). Todos são considerados jovens, sendo três mulheres, menores de 27 anos; e seis homens, com idades entre 20 e 38 anos. Apenas uma dessas pessoas não mora no Ceará; é visitante de São Paulo. As demais residem em Fortaleza, Tauá, Choró, Sobral, Poranga, Irauçuba e Paraipaba.

A variante Delta foi identificada pela primeira vez no Ceará no dia 29 de julho, em quatro viajantes oriundos do Rio de Janeiro, sendo três mulheres e um homem, com idades entre 22 e 26 anos. Todos foram testados entre 19 e 21 de julho, no Aeroporto de Fortaleza.

Em seguida, na terça-feira (3), a Sesa confirmou outros dois novos casos, totalizando seis, dos voos:

  • GOL 2021 de 23/07/2021 – Rio de Janeiro → Fortaleza
  • LATAM 3013 de 23/07/2021 – Rio de Janeiro → Guarulhos → Fortaleza

As nove confirmações desta sexta, por fim, totalizaram os 15 casos. Ainda não há informações detalhadas sobre números dos voos dos novos passageiros infectados.

PREVENÇÃO 

No intuito de evitar a transmissão comunitária da variante, Camilo Santana informou que as medidas de flexibilizações não avançarão no Estado, e o decreto atual será mantido até 23 de agosto.

Apesar do avanço na campanha de vacinação no Ceará, o governador frisou durante a live que a “pandemia não acabou”.

“Queremos proteger todos os cearenses, evitar o recrudescimento da doença aqui no Ceará, até que a gente possa vacinar todos os nossos irmãos e irmãs cearenses. Então, é importante que as pessoas compreendam, que cumpram as recomendações das autoridades sanitárias, que respeitem os decretos, que utilizem a máscara”.

Variantes e baixa cobertura vacinal explicam tendência de aumento de SRAG no CE, diz epidemiologista

O chefe do executivo estadual declarou que já firmou acordo para a compra de 3 milhões de doses da Sinovac com o Instituto Butantan. E ainda enumerou que o Estado, os Ministérios Públicos do Estado (MPCE), Federal (MPF) e do Trabalho (MPT) ajuizaram uma ação civil pública contra a União para que o Ministério da Saúde justifique a disparidade na distribuição de doses entre os estados brasileiros.

Outra providência prevista anunciada pelo governador é entrar com uma ação judicial para exigir que passageiros apresentem exame PCR negativo para Covid-19 ou comprovar vacinação completa, com duas doses, antes de desembarcarem em solo cearense.

ISOLAMENTO E MONITORAMENTO

Em entrevista ao Diário do Nordeste, o secretário da Saúde, Dr. Cabeto, antecipou que o Estado deve discutir a inclusão em decreto do autoisolamento de pessoas que tiveram contato com os infectados pela nova cepa.

Segundo a Sesa, os viajantes já confirmados com Delta e outras variantes são devidamente notificados e monitorados pela Vigilância Epidemiológica da Pasta e pelas respectivas Secretarias Municipais de Saúde.

Além de manter o isolamento, os viajantes devem passar por novas coletas para medição de carga viral, potencial de transmissão e estudo de anticorpos. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é notificada sobre os casos.

O Centro de Testagem no Aeroporto ampliou as coletas por amostragem de 5% para 20% dos cidadãos que desembarcam de voos oriundos dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul.

A Sesa recomenda que todos os passageiros e tripulantes que chegam nos voos com confirmação de casos de Covid-19 realizem autoquarentena de 14 dias, mesmo após exames negativos.

NOVAS CEPAS PODEM ADIAR FIM DA PANDEMIA

Epidemiologista, virologista e professora da Universidade Federal do Ceará (UFC), Caroline Gurgel cita a variante Delta como potencial agravante do cenário pandêmico no Ceará e no Brasil, mas lembra que a retomada das atividades econômicas e o desrespeito às medidas sanitárias básicas de prevenção à Covid-19 podem contribuir para o surgimento de outras novas cepas.

“Então, temos toda a receita pra poder explodir aí qualquer variante e manter o coronavírus alto porque aqui os níveis [de transmissão] são muito altos né?”, diz, reafirmando a chegada de uma terceira onda pandêmica. “Não é mais uma probabilidade, é uma realidade, é só aguardar”.

 

 

 

 

 

Fonte: Diário do Nordeste

Tags:

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *