CARREGANDO

Digite o artigo que você procura

Alta da carne impulsionará preços do frango e ovos no Ceará

Edmundo Marques 7 dias ago

Os valores devem subir ‘exageradamente’ em relação ao ano passado, avalia presidente do Sindicarnes-CE, que prevê que encarecimento da carne bovina deve chegar a 40% no Estado, até o fim de 2019

Seguindo o avanço do valor da carne bovina, que desde agosto acumula alta de 30% nos açougues cearenses, os preços de aves e ovos também devem aumentar já nas próximas semanas. “Nós vamos ter impacto em todos os segmentos. Primeiramente, o consumidor busca a carne mais barata, mas o preço das aves também vai subir”, prevê Francisco Everton da Silva, presidente do Sindicato do Comércio de Carnes Frescas do Ceará (Sindicarnes-CE).

O movimento acontece em razão da maior procura das pessoas por outras opções de proteína animal, como aves ou ovos, para fugir do aumento dos altos valores da carne vermelha – é de se esperar, portanto, que haja reajuste nos preços desses itens, principalmente nesta época de fim de ano. “A verdade é que todos esses produtos vão subir exageradamente em relação ao ano passado”.

Até o fim do ano, o presidente do Sindicarnes-CE estima que a alta da carne bovina pode chegar a 40% no Estado. O efeito do valor da carne vermelha sobre o do frango e também do peixe está sendo analisado pelo Ministério da Agricultura. A avaliação da Pasta é de que o preço da carne deverá se estabilizar em um patamar, influenciado diretamente pelo custo internacional da proteína.

Hoje, o preço da arroba do boi gordo (o equivalente a 15 quilos de carne) oscila entre US$ 40 e US$ 50. Se considerada a cotação desta sexta-feira (29), com o dólar a R$ 4,23, a arroba do boi chega a custar até R$ 201. Ou seja, para o Ministério da Agricultura, o preço da carne deve se estabilizar nesse patamar.

O aumento se deve a uma conjunção de fatores, diz Silva, entre os quais o crescimento da demanda do mercado da China, que mais do que dobrou o volume de importação da carne brasileira. “Este ano está sendo atípico porque, além do período da entressafra do boi, estamos vivendo o momento de maior exportação do Brasil nos últimos dez anos. A China aumentou em 110% a importação de carne do Brasil devido à peste suína, e essa recuperação é lenta”.

Além disso, o presidente do Sindicarnes-CE diz que outros concorrentes do Brasil no segmento estão com dificuldades para atender à demanda externa. “A Argentina está em crise e a Austrália enfrenta uma forte estiagem, por isso essa agressividade de mercados como o da China, Rússia e Arábia Saudita. Todos esses países dobraram suas importações, o que elevou os preços no mercado internacional. E, com o dólar do jeito que está, o produtor nacional quer (vender) no mercado externo”, explica Silva.

Na quinta-feira (28), a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo que, além do efeito das exportações, é preciso considerar fatores internos, como o preço nacional cobrado pelo pecuarista, que estava sem reajuste há três anos, sem esquecer da seca prolongada, que mexeu com a produção do boi gordo. “Sabemos que essa situação decorre de uma conjuntura de fatores. Agora, a arroba não vai baixar mais ao patamar que estava”, disse.

Abastecimento

Apesar do aumento do preço, o Governo Federal afasta a possibilidade de que haja qualquer risco de desabastecimento de carne no mercado nacional, uma vez que o Brasil conta hoje com um rebanho de 215 milhões de cabeças de gado, número superior ao da população do País.

“Realmente, o mercado chinês mexeu com as exportações, e não só da carne brasileira, mas da carne argentina, paraguaia, uruguaia. É muito grande a necessidade da China”, disse a ministra da Agricultura. “Além de o Brasil abrir as exportações, temos de lembrar que o boi tinha um preço represado há três anos”, apontou a ministra. “Antes, o produtor vendia uma arroba por R$ 140, em média. O que aconteceu é que, nesse primeiro momento de abertura, com a China pagando um preço muito bom, houve esse momento, digamos, de euforia”.

Inflação

O aumento do preço da carne bovina também foi um dos principais fatores de pressão sobre a inflação dos produtos industriais na porta de fábrica nos últimos três meses, segundo Alexandre Brandão, gerente de análise e metodologia da coordenação de indústria do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Índice de Preços ao Produtor (IPP), que inclui preços da indústria extrativa e de transformação, registrou aumento de 0,64% em outubro, o terceiro consecutivo, conforme divulgou o Instituto nesta sexta-feira (29). Com alta de 2,12% – a maior desde junho de 2018 – os preços dos alimentos exerceram a principal influência sobre o resultado geral da indústria (0,47 ponto porcentual).

Com o resultado de outubro, o setor de alimentos já acumula alta de 4,17% no IPP em 2019. Os destaques são justamente “carnes de bovinos frescas ou refrigeradas” e “produtos embutidos ou de salamaria de suíno, exceto pratos prontos”. Se somados “rações e suplementos para animais” e “carnes de bovinos congeladas”, os quatro produtos tiveram influência conjunta de 1,78 ponto porcentual na alta dos alimentos no mês de outubro.

Fonte: Diário do Nordeste

 

 

Tags:

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *