CARREGANDO

Digite o artigo que você procura

Ceará deve ter aumento de vagas temporárias nos próximos meses, projeta Asserttem

maximweb 2 semanas ago

Projeção da associação prevê crescimento da modalidade de contratação com a abertura das atividades econômicas e avanço da vacinação

Com a reabertura das atividades econômicas e o avanço da vacinação, o número de vagas temporárias deve aumentar nos próximos meses no Ceará. O cenário no estado deve seguir a projeção nacional. Em todo o País, a geração prevista é de 630 mil vagas nessa modalidade no próximo trimestre.

De acordo com levantamento da Associação Brasileira do Trabalho Temporário (ASSERTTEM), é esperado um aumento de 20% nas contratações temporárias em comparação com o mesmo período de 2020.

“O que temos observado é que o Nordeste está aumentando na mesma medida do que acontece ao nível nacional. No Ceará, os indicadores também apresentam um crescimento de demanda similar ao cenário no Brasil”, explica o diretor da região Nordeste da Associação, Cristian Giuriato.

O presidente do Instituto de Desenvolvimento do Trabalho (IDT), Vladyson Viana, explica que esse movimento no estado se consolida até o final do ano com as festas comemorativas como Natal e Ano Novo.

“Temos uma curva ascendente da criação de novos postos de trabalho e temos uma expectativa positiva para o segundo semestre, fortalecida também pelas políticas públicas que é um fator de indução de vagas temporárias”.

VLADYSON VIANA

presidente do IDT

Nesta semana, o Governo do Estado lançou o programa Mais Emprego Ceará para gerar 20 mil novos postos nos setores de comércio e serviços com o pagamento da metade do salário mínimo durante seis meses.

“Esse tipo de contratação temporária, principalmente neste tempo de transição e de incertezas por conta da pandemia, tem sido mais utilizado, pois permite que as empresas possam observar o comportamento do mercado”, acrescenta o presidente do IDT.

CENÁRIO LOCAL

O Ceará, inclusive, foi o segundo estado do Nordeste na geração de empregos intermitentes e temporários no primeiro quadrimestre deste ano, segundo dados do Ministério da Economia, com 698 e 156 vagas abertas, respectivamente.

Conforme Giuriato, o setor que mais realiza contratações nesta modalidade é a indústria, porém, à medida em que se tem a ampliação das atividades presenciais, as empresas de serviço e de comércio também vão gerando demanda.

No estado, conforme Viana, o setor de serviços deve impulsionar essa modalidade de contratação. Em maio deste ano, o saldo de contratação, incluindo vagas fixas, foi de 4.284. Dessas, 3.312, ou seja 77%, são de funções de serviços.

No acumulado até maio, o saldo ficou em 23.945, sendo 182.814 admissões e 158.869 desligamentos. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

DESEMPREGO

A taxa de desemprego atingiu 14,7% no trimestre fechado em abril, atingindo 14,8 milhões de pessoas no Brasil. Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostraram ainda que, no Ceará, 549 mil estavam desempregados no primeiro trimestre de 2021.

Assim, o sistema de contratação pode ser uma alternativa para absorver essa população sem renda. “Apesar de ser temporária, é formal. As pessoas que são contratadas para essas vagas temporárias têm todos os direitos e, caso acabe o contrato, a empresa pode absorver esses funcionários sem custos adicionais”, pontua o diretor.

Apesar desse crescimento, o presidente do IDT pontua que a demanda ainda é muito residual e, por isso, não dá para saber se o modelo deve predominar nas empresas nos próximos anos. “A gente percebe ainda uma sazonalidade. Há um aumento no final do ano, mas no início cai novamente”, explica.

 

 

 

 

 

Fonte: Diário do Nordeste

Tags:

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *