CARREGANDO

Digite o artigo que você procura

Nasa lançará missão contra asteroide para “defesa planetária” nesta quarta-feira (24); entenda

maximweb 1 semana ago

A intenção da missão é mudar a trajetória do corpo celeste.

 

Satélites

A Missão de Teste de Redirecionamento de Asteroide Binário irá atrás da Dimorphos

 

A Agência Espacial Americana (Nasa) lança, nesta quarta-feira (24), a missão Dart (Double Asteroid Redirection Test) para testar o potencial desta tenologia para desviar um asteroide que pode chocar-se com a terra futuramente. O foguete decola às 2h21, na Califórnia, nos Estados Unidos.

A viagem será a bordo do foguete Falcon 9 da SpaceX. O alvo será a lua Dimorphos, que orbita o asteroide Didymos, de 780 metros de diâmetro, duas vezes a altura da torre Eiffel.Em sua órbita há uma lua, Dimorphos, de 160 metros de diâmetro e mais alta que a Estátua da Liberdade.

É nessa lua onde a nave vai pousar, cerca de 100 vezes menor que ela, projetada a uma velocidade de 24.000 km/h. O impacto lançará toneladas e toneladas de material.

Não há risco para a Terra.

OBJETIVO DA MISSÃO

No início deste mês,  Nancy Chabot, do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, que lidera a missão em colaboração com a Nasa, informou que “não vai destruir o asteroide, só lhe dará uma pequena sacudida”.

Como resultado, a órbita do asteroide menor ao redor do maior se reduzirá somente “por volta de 1%”, explicou.

A partir das observações realizadas por telescópios na Terra há décadas, sabe-se que Dimorphos orbita atualmente ao redor de Didymos em exatamente 11 horas e 55 minutos.

Usando os mesmos telescópios, este período será medido novamente depois da colisão. Nesse caso, talvez sejam “11 horas e 45 minutos, ou algo assim”, disse o pesquisador.

TESTE DE POTENCIAL

Há muitos fatores que entram em jogo, como o ângulo do impacto, o aspecto da superfície do asteroide, sua composição e sua massa exata, todos eles desconhecidos até o momento.

Deste modo, “se um dia descobrirmos um asteroide em rota de colisão com a Terra (…), teremos uma ideia da força que precisaremos para que esse asteroide não toque a Terra”, explicou Andy Cheng, da Universidade Johns Hopkins.

A órbita ao redor do sol de Didymos, o grande asteroide, também mudará levemente, devido à relação gravitacional com sua lua, disse Cheng. Mas essa mudança será “pequena demais para ser medida”.

 

 

 

Fonte: Diário do Nordeste

Tags:

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *