CARREGANDO

Digite o artigo que você procura

‘Serial killers’ que mataram estudante em ‘ritual satânico’ para ganhar na Mega-Sena são condenados no Ceará

maximweb 1 mês ago

Na casa próxima ao local onde a vítima foi enterrada, a polícia encontrou objetos relacionados ao ocultismo. — Foto: Arquivo/Polícia Civil

 

O Tribunal do Júri de Iguatu, no interior do Ceará, condenou nesta terça-feira (14) dois homens acusados pela Polícia Civil de serem “serial killers” e matarem suas vítimas em rituais satânicos para ganhar na Mega-Sena. A condenação foi no caso que apurava especificamente o assassinato do estudante Jheyderson de Oliveira Chavier, encontrado morto em uma cova.

Gleudson Dantas Barros e Roberto Alves da Silva foram condenados à prisão pelos crimes de homicídio duplamente qualificado, ocultação de cadáver e corrupção de menores. O primeiro foi sentenciado a 21 anos, 7 meses e 17 dias em regime fechado; o segundo, a 18 anos, 3 meses e 7 dias.

A Polícia Civil concluiu que os homens mataram não só o estudante, mas também outras três pessoas da mesma forma. Sobre essas apurações, eles ainda não foram julgados.

Segundo a investigação, eles atraíam vítimas a um sítio, faziam um ritual com o rosto da pessoa e atiravam na nuca. Um dos condenados desejava também ter “poderes divinos”, mulheres e “poder para desafiar qualquer um”, afirmou, na época, o delegado da Polícia Civil Marcos Sandro Lira.

“Eles escolhiam aleatoriamente. Eram serial killers psicopatas que se fingiam de religiosos para se infiltrar na sociedade. Eles escolhiam pessoas frágeis psicológica e emocionalmente, mas se [a vítima] fosse alguém que tinha alguma rixa com eles, era um alvo preferencial”, disse Sandro Lira.

O cadáver do estudante morto foi encontrado nas proximidades da casa de Roberto Alves, apelidada pelos investigadores como “Casa da Morte”, em função de ser o local no qual eram praticados rituais ‘macabros e sinistros’, diz o Ministério Público do Ceará (MPCE). Roberto também foi sentenciado pelo crime de posse ilegal de arma de fogo.

Covas e rituais

Segundo o delegado Sandro Lira, os suspeitos deixavam uma cova preparada e escolhiam a vítima para realização dos rituais.

“Eles simplesmente pensavam quem eles iriam matar naquele dia, podia ser um mendigo, alguém que eles prometiam dinheiro, festas”, afirmou.

A polícia chegou aos suspeitos após a morte do estudante Jheyderson de Oliveira Chavier; depois de cinco dias desaparecido, a polícia identificou um vídeo de câmeras de segurança da vítima na companhia de Gleudson Dantas, apontado como o líder da seita.

Após a prisão e interrogação do suspeito, os policiais e Corpo de Bombeiro localizaram mais três cadáveres no sítio. “Um deles [dos suspeitos presos], o Roberto, fala em arrependimento, diz que os rituais não estavam resultando em nada na vida dele. Já os outros dois, se não tivessem sido presos, iriam continuar matando com certeza. O menor de idade queria matar, ele sentia prazer em matar”, afirma o delegado.

Parte dos cadáveres eram usados para “ornamentar” um “altar satânico”, que era usado em rituais macabros. Os membros da seita acreditavam que, com os homicídios, conseguiram os números para vencer na Mega-Sena.

“Eles diziam que o espírito das pessoas [assassinadas] estava aprisionado naquele sítio e que os espíritos fariam o que eles quisessem, inclusive iriam dar o número para vencer na Sena.”

Ainda conforme o delegado, os três já haviam preparado uma cova “enorme” para matar e sepultar três mulheres. “Eles tentaram atrair as mulheres com bebedeiras, mas nunca conseguiram. Depois tentaram dois rapazes, que por sorte viajaram para Fortaleza e não puderam ir à festa. Foi quando eles tiveram a chance de atrair o Jheyderson, que infelizmente foi uma das vítimas”, afirmou.

Fonte: G1

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *